Delta do Jacuí e o Guaíba

A imagem acima nos apresenta a vista de cima da feição geomorfológica que nos consta como “Delta do Rio Jacuí”. A área do “Delta” é tão grande que a cidade de Porto Alegre cumpre apenas uma função de moldura, assim como a cidade de Canoas e Eldorado do Sul. (Vejam que curioso o destaque dos dois estádios de futebol da cidade).

Os livros de geologia explicam muito bem o que é um delta. Para os leigos, o que importa é que o delta é o “fim da linha” de um rio: ali ocorre uma transição severa de declividade do canal e uma perda de energia significativa, resultando em uma complexa zona de deposição de sedimentos, envolvendo muitos canais entrelaçados que espalham a vazão do rio em várias direções. A seguir, as águas do rio misturam-se com as águas de lago, laguna, mar ou oceano. O exemplo mais clássico é o delta do Rio Nilo, que inclusive deu origem ao nome “delta”, em alusão ao formato da letra grega.

Voltando ao nosso delta doméstico, uma breve análise permite avistar que as coisas não são assim tão simples.

Em primeiro lugar, o nome sugere que o delta é exclusivo do Rio Jacuí. É claro, o Rio Jacuí é um monstrinho por essas bandas, o principal, o maior da região. No entanto, omite-se que temos mais três rios maioritários atuando no mesmo delta: o Rio Caí, o Rio dos Sinos e o Rio Gravataí. No total, são quatro rios significativos descarregando suas vazões no mesmo ambiente.

Em segundo lugar, e não menos importante, os rios atuantes entram vindo de diferentes direções e, somando-se a isso, temos morros de rocha granítica (os morros da cidade) justamente na única direção livre para a descarga do delta.

O cenário final dessa história toda é que o tal delta tenta espalhar a vazão para várias direções, mas fracassa obtusamente ao concentrar tudo no final. Como cereja do bolo, o local que todas as quatro vazões dos rios são somadas é exatamente no Cais do Porto e Ponta do Gasômetro.

Isso explica em muito a confusão do Guaíba ser um rio: qualquer pessoa que resolva passear no Cais ou na Ponta do Gasômetro sai de lá com a certeza absoluta que aquele corpo hídrico é um rio. E não a culpo, pois de fato o é naquele exato local – o local onde quatro rios escoam em um único canal. O erro está em generalizar essas condições muito específicas para toda a vastidão de águas que compõe o Guaíba, com suas baías, sacos, enseadas, praias e pontas que se espalham por quilômetros no sentido sul.


Fonte:

Atlas Ambiental de Porto Alegre.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s